consultoria

consultoria

terça-feira, 26 de julho de 2011

PROJETO FOLCLORE DO MÊS DE AGOSTO


OBJETIVOS:Trabalhar o conjunto de tradições, conhecimentos, crenças populares, artes, música, danças, supertições etc... que formam o folclore brasileiro.
ATIVIDADES SUGERIDAS:
 Encenações de lendas; Trabalhar as canções (boi da cara preta, ciranda cirandinha);
 Brinquedos e brincadeiras: cavalo de pau, telefone sem fio, corda, peteca, cata-vento, bola de gude ;
 Confeccionar com sucatas fantochesTrabalhar as danças: samba, frevo;
 O sítio do pica-pau amarelo relata várias lendas brasileiras: saci, curupira, Iara...
 Dia nacional das artes: descrever quais são as diferentes formas de expressão artística (música, teatro, dança...). Falar sobre algum artista brasileiro;
 Dia da nutricionista: importância dos alimentos e quem cuida da alimentação na escola (tia Jaque), e como é o trabalho deste profissional.
 Dia dos Pais:ensaiar apresentação de músicas;confecção do presente,cartão...
DATAS COMEMORATIVAS
11/08- Dia do Estudante
12/08-Dia das Artes
14/08- Homenagem aos Papais
22/08-Dia do Folclore
23/08-Dia da Criança Excepcional
25/08-Dia do Soldado
31/08-Dia do Nutricionista
Eliziane Longarai
Pedagoga

quinta-feira, 21 de julho de 2011

                 ESCOLA  PEQUENO  POLEGAR
A  escola  pequeno polegar congratula-se com o fato de  ter instalada a tradição de se celebrar o Dia Nacional dos Avós, no dia 26 de Julho.
A chamada de atenção que cada ano se faz e reforça a importância de que se revestem os Avós no seio de uma Família.
Num mundo apressado, com amnésia generalizada sobre o seu passado, angustiada quanto ao futuro e á deriva na atualidade, os Avós são, ou devem ser, como que bússolas que apontam rumos ou âncoras de estabilidade, na discrição que se impõe na sua actuação junto dos filhos e dos netos.
Os Avós, como elos de uma longa cadeia de gerações que é cada Família, são figuras importantíssimas e a quem a sociedade deve respeitar e amar.
Não sendo nem devendo ser “pais duas vezes”, os Avós, são raras vezes, referências estruturantes no seio da Família, sobretudo quando a saúde, a disponibilidade e a proximidade proporcionam o contacto com os netos.
Esta relação, quando efetiva e carregada de afeto, pode favorecer um desenvolvimento equilibrado de cada criança.
A falta dos Avós no processo do crescimento das novas gerações é, sem dúvida, um fator de empobrecimento cultural, social e espiritual. Os Avós deverão ser, pois, um suporte afetivo no desenvolvimento de cada criança e jovem. O corte afetivo com os Avós é sempre penalizador, para uns e para outros.Por isso, faz sentido celebrarmos os Avós e, com o crescente aumento de esperança de vida, talvez começarmos a pensar nos Bisavós que são cada vez mais e a quem nem sempre se dá a devida atenção já que, não raras vezes, vivem já com severas limitações, mas carecendo sempre de ser amados. Neste Dia Nacional dos Avós, não deixaremos de recordar os que já partiram. Eles também não devem ser esquecidos! Para todos os Avós, a Escola  Pequeno  Polegar  deseja um dia repleto de Afetos e de Amor.
                                                     Eliziane  Longarai              
                                                    Pedagoga

ELIZIANE LONGARAI: ANIVERSÁRIO DA LIZ DIGITAL

ELIZIANE LONGARAI: ANIVERSÁRIO DA LIZ DIGITAL: " 02 ANOS DE LIZ DIGITAL MUITA DEDICAÇÃO E QUALIDADE!!!"

ANIVERSÁRIO DA LIZ DIGITAL

                                                    02 ANOS DE LIZ DIGITAL

MUITA DEDICAÇÃO  E  QUALIDADE!!!

sábado, 16 de julho de 2011

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Colorir: Qual a sua importância?

Colorir desenhos é uma atividade tão natural para as crianças como dormir e chorar. Muito mais do que formas aleatórias, colorações monocromáticas ou rabiscos quase ilegíveis, o ato de colorir é extremamente importante nos artistas de palmo e meio, incentivando o desenvolvimento de várias e essenciais capacidades.
Expressão pessoal
Desenhar e colorir são formas de expressão pessoal por excelência das crianças, que nem sempre conseguem exprimir-se adequadamente através da fala ou da escrita. Vários estudos já comprovaram que é bastante fácil perceber o que alguém está sentindo através das imagens que desenha ou das cores que utiliza para colorir. Por exemplo, uma criança que desenha facas, pistolas, caveiras ou outros objetos perturbantes pode estar pedindo ajuda. Por outro lado, uma criança que desenha o sol, passarinhos, corações ou outros objetos alegres, pode estar expressando o seu contentamento. É um exercício excelente para desenvolver personalidades e deixar a criatividade fluir!

Identificação das cores
A maioria das crianças tem a sua primeira (e muitas vezes única!) exposição à roda das cores e ao conceito de arte, graças às brincadeiras infantis com lápis de cor, de cera e marcadores. Aprender a distinguir as diferentes cores bem cedo é meio caminho andado para perceber as suas várias e corretas aplicações, bem como possíveis misturas entre cores primárias e secundárias, mais tarde.

Uma forma de terapia
O simples ato de colorir pode ser terapêutico para muitas crianças e é uma atividade utilizada em muitos hospitais, centros de aprendizagem e instituições para possibilitar o “descarregar” de emoções, sentimentos e frustrações. Uma criança zangada pode perfeitamente pintar o seu desenho de uma árvore toda preta, a tal ponto que a própria figura deixe de ser visível. De outra perspectiva, uma criança organizada, que gosta das coisas à sua maneira, pode colorir o seu desenho meticulosamente, sem ultrapassar qualquer linha do mesmo. Independentemente da forma como vai colorir ou desenhar, esta é uma excelente forma de acalmar as crianças.

Aprender a segurar e a controlar
Um lápis de cera é, para muitas crianças, o primeiro objeto que aprendem a segurar, para o poderem controlar. Dominar um lápis de cera é a rampa de lançamento para conseguirem dominar as restantes ferramentas de colorir – lápis de cor, marcadores, pincéis – e, mais tarde, os de escrita – caneta e lápis. Quanto melhor desenvolvidas estiverem as suas capacidades de segurar e de controlar um lápis de cera, mais facilitada será a sua aprendizagem mais tarde, quando começarem a escrever.

Coordenar para pintar
O desenvolvimento da coordenação olho-mão é outra grande lição que as crianças retiram das suas sessões de colorir. Desde segurar firmemente o lápis de cera, a reconhecer as cores que devem ser utilizadas, até ao ato de afiar os lápis, a verdade é que colorir desenhos implica uma enorme coordenação entre os olhos e as mãos. Quanto mais praticarem, mais desenvolverão esta aptidão tão básica para a vida.

Aperfeiçoamento das capacidades motoras
Colorir é divertido, não é? Pois é! Mas também é muito mais do que isso – enquanto as crianças se entretêm a colorir, interagindo com marcadores, tintas, lápis de cor, de cera e papel, estão trabalhando e a fortalecendo os músculos das mãos. Colorir exige uma coordenação básica e um esforço conjunto entre os músculos dos braços e os das mãos que, uma vez desenvolvidos, permitirão às crianças executar atividades mais exigentes, mas com dificuldade mínima.

Concentração máxima
As crianças que se dedicam a 100% à coloração dos seus desenhos fazem-no na perfeição: não há espaço que fique por preencher, nem linha que tenha sido cruzada! E isto porquê? O simples ato de colorir tem a capacidade de prender a atenção de uma criança, estimulando a sua concentração máxima, mesmo face a um ambiente barulhento como uma sala de aula ou a cozinha antes da hora de jantar. Com o passar do tempo, os seus níveis de concentração vão continuar melhorando.
Estabelecer limites
Uma criança mais nova não saberá respeitar as linhas do seu desenho tão bem como uma criança mais velha que já faz um esforço enorme para colorir dentro das mesmas… mas depressa chega lá! E ainda bem! Reconhecer e respeitar estes limites (mesmo que sejam os de um desenho!) é uma excelente experiência e método de aprendizagem para aquilo que se segue: escrever letras e números nas linhas de um caderno!

Missão cumprida!
A satisfação e o sorriso no rosto de qualquer criança que consegue colorir um desenho inteiro dentro das linhas, é uma vitória muito importante para os artistas de palmo e meio! O sentido de cumprimento, de que tudo é possível, é fundamental para as crianças porque dá-lhes motivos para se sentirem orgulhosos, capazes, confiantes e, claro, para ser congratulado pela sua comunidade mais imediata. Para além disso, é um sentimento de “missão cumprida” que dificilmente
esquecerão.

Eliziane  Longarai
               Pedagoga