consultoria

consultoria

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

PRIMEIRO DIA DE AULA



O primeiro dia... Receios e ansiedades que caracterizam o primeiro dia de contato entre as turmas de educadores e alunos podem ser encarados de forma suave e descontraída. O primeiro dia de aula é cheio de emoções conflitantes para alunos e educadores: expectativas de reencontros, alegrias, curiosidades, incertezas, temores. É um momento especial: o nascimento de um grupo que vai trabalhar e aprender junto durante o ano. Vínculos mais profundos podem levar certo tempo para se formar, porém, criar desde o primeiro instante um clima de aceitação e de naturalidade vai estimular o crescimento da confiança mútua e o desejo de participar. Por isso, comece sendo natural e confiante. Não pense na imagem que gostaria de projetar, seja apenas você mesmo (a), naquilo que tem de melhor, de mais afetuoso, de mais entusiasmado e interessado na tarefa.

Programe, sim, cuidadosamente este primeiro encontro, mas deixe pra lá temores e inseguranças. Confie em Deus, que sempre colabora com todos os trabalhos voltados à Educação da criança e do jovem. Se estiver tranquilo, é mais fácil abrir-se para as suas inspirações. E não se apavore se as coisas não funcionarem exatamente como você planejou. Reposicionar-se de acordo com as circunstâncias também é ser humilde.

Receba as crianças em clima de festa, pois estamos celebrando o início de uma nova etapa para todos. Se puder tenha algo especial no ambiente, que mostre que não se trata de um dia qualquer (decoração, música alegre). Um caprichado cartaz de boas-vindas sempre contribui para melhorar as disposições íntimas de todos. Seja bastante afetivo, sem exagerar. Abrace, dê beijos, seja carinhoso (a)! Curta o momento.

É conveniente preparar uma atividade de aquecimento e integração apropriada à turma. A seguir, comece uma conversa amena. Conte quem é você, como você se sente, o que gostaria de fazer. Dê oportunidade para os alunos falarem de si, de como é retornar ou começar na classe, e do que têm vontade de fazer, durante o ano. É uma boa oportunidade para conversar sobre o que significa, para cada um, estar naquele grupo, e o que espera. Afinal, compartilhar é uma das melhores coisas para se fazer em grupo.
Fonte: Rita Foelker (adaptado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário