consultoria

consultoria

sábado, 21 de janeiro de 2012

AS 10 MELHORES BRINCADEIRAS DO VERÃO



Praias e parques incentivam actividades muito agradáveis desde que se solte a imaginação. O importante é afastar os hábitos e as rotinas e experimentar novas situações.
Eu proponho sempre a criatividade como a grande amiga das férias. É ela quem ajuda a inventar coisas diferentes. E isso é importante também neste período porque é fácil criarmos rotinas mesmo no local das férias. E então metade do que poderíamos aproveitar para ter dias diferentes perde-se.

Passeios:
É a mais fácil das actividades. Caminhadas ao longo dos areais ou em parque e jardins é divertido e tonifica o organismo, incluindo o cérebro. Pode-se criar um roteiro diferente todos os dias, explorando pormenores ou descobrindo novos cenários na paisagem.
Observar recantos naturais:
É uma verdadeira actividade de neurofitness pois exercita os sentidos, em especial a visão, a audição e o tacto. Deve-se poder tocar nas coisas da natureza: a água, as rochas, as plantas, etc.
Coleccionismo:
Pode-se aproveitar para colher folhas de árvores mais exóticas, pedrinhas invulgares e conchas da praia. Podem ser levadas para casa e depois estudadas através da consulta a enciclopédias ou na internet, fazendo cadernos com os apontamentos que nos interessem. Acaba-se por aprender algo mais sobre botânica, minerais e outras ciências.
Fazer explorações tipo Indiana Jones:
Muitos sítios permitem passeios mais ousados e excitantes. Pode-se levar binóculos e máquina fotográfica para captar os momentos mais atractivos das aventuras. Com calçado apropriado e lanternas é possível explorar grutas, recantos, bosques ou até o fundo marinho junto à praia. O importa aqui é segyuir o espírito de aventura, o que torna esta actividade diferente do simples passeio turístico.
Construir brinquedos:
As crianças hoje em dia têm todo o tipo de brinquedos ao seu dispor mas os que elas mais gostam é de os inventar. E os mais simples são os mais fascinantes pois as crianças têm de pensar e ter ideias. E depois acontece que elas relaxam e até entram no que se chamam estados de "fluxo" - uma concentração profunda mas muito aprazível em que se perde a noção de tempo. Podem construir barquinhos, carros de tamanhos diferentes, bolas de diferentes materiais, papagaios, planadores de papel, etc. Os mais conhecidos são as construções de areia mas também se pode criar casas, castelos e outros edifícios (em cartão, barro, plasticina, etc.).
Desenhar e pintar:
Pode-se incentivar as crianças a reproduzirem paisagens ou objectos sob a forma de desenhos, pinturas, fornecendo-lhes os materiais necessários e mais acessíveis. Pode-se inscrevê-las em oficinas de pintura para aperfeiçoarem a técnica. Desenhar mapas ou escrever histórias tendo como cenário o local de férias é outra excelente oportunidade para desenvolver a mente.

AS DEZ MAIS:

1. Passeios de descoberta (com os pais) a sítios desconhecidos, mesmo que sejam perto de casa ou então fazer entrevistas aos habitantes para recolher informações de como era a vida antigamente na localidade das férias.
2. "À Indiana Jones" (brincadeiras de exploração de recantos, grutas e bosques sob supervisão de um adulto).
3. Construir brinquedos em cartão, madeira, barro, areia molhada ou outro material (castelos, casas, veículos, barcos com vela, etc.).
4. Registar em desenho e pintura pormenores do local de férias (fontes, ruas, jardins, etc.).
5. "O investigador científico" (observar, descrever em caderno, desenhar ou fotografar plantas, animais e rochas para depois estudar consultando a internet ou enciclopédias).
6. "Neuróbica for kids" (jogo dos sentidos e concentração, realizado em grupo, em que cada criança tem de identificar, através de sons, visão de partes de figuras, cheiros e o tacto (com os olhos vendados), diferentes artefactos e situações.
7. "À Sherlock Holmes" (jogos em grupo para descobertas de enigmas na praia ou em parques e jardins).
8. "À Harry Potter" (jogos de magia e ilusionismo que podem ser inventados na hora)
9. O mapa do tesouro (jogo em que alguém esconde um objecto - o tesouro - e fornece pistas enigmáticas para que seja possível construir-se uma rota que leve à sua descoberta).
10. Contadores de histórias hilariantes (em grupo, inventam-se partes de histórias, as mais excêntricas possíveis, registam-se num gravador e depois colam-se as diferentes secções, o que dá origem a situações inimagináveis).

Nenhum comentário:

Postar um comentário