consultoria

consultoria

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Projeto Acolhimento e Adaptação Berçário

Projeto Acolhimento e Adaptação Berçário
Este é um projeto muito especial enviado pelas professoras Doralice Chaves e Elisângela Melo do ... CEI JARDIM SÃO VICENTE EDUCANDO PARA UM MUNDO MELHOR BERÇÁRIO II A ADAPTAÇÃO COM MUITA DIVERSÃO! NOME: Adaptação com muita diversão! MODALIDADE ORGANIZATIVA: Projeto CAMPO DE EXPERIÊNCIA: Cuidar de si – equilíbrio emocional IDENTIFICAÇÃO DO GRUPO OU PÚBLICO ALVO: BERÇÁRIOS II - A, B, C e D com os pais / responsáveis pelas crianças. Projeto Acolhimento e Adaptação Berçário JUSTIFICATIVA: Com o novo ano letivo que começa, dá-se início a readaptação das crianças que já frequentavam a escola e também a adaptação das crianças novas. São muitas as novidades: professoras, sala de convívio, colegas novos, etc. E para fazermos desse período o mais agradável possível, pensamos em um projeto que reunisse atividades interessantes, muito aconchego, ambiente acolhedor e acima de tudo dedicação, amor, carinho e paciência por parte das professoras, sendo muito importante o entendimento sobre o que é adaptação e como se dá esse período de tantos desafios. “Marcado por encontros e desencontros, a adaptação escolar é o momento em que a criança e seus familiares passam a criar com a escola relações afetivas destinadas a favorecer a construção de um mundo social mais amplo em que estejam presentes muitas conquistas e aprendizagens”. (Luciana Wolker da Silva) “Como adaptação e separação caminham juntas, o ingresso na escola tende a gerar ansiedade. Assim é importante que este período se organize de forma gradual, com pais orientados e seguros acerca do que esperam para os filhos que ingressam na escola, para que esse sentimento seja entendido, discutido e superado pelos envolvidos”. (Luciana Wolker da Silva). Nesse sentido, consideramos importantíssima a parceria e a interação família/ escola para que haja a construção de laços saudáveis favoráveis a troca de vivências e ao pleno desenvolvimento da criança, sendo ela o principal sujeito da adaptação. Sabemos que a confiança e a segurança dos pais vão sendo construídas à medida em que vão conhecendo as professoras e o seu trabalho, por isso desejamos que esse período seja de muita parceria, compreensão, carinho e confiança. TEMPO PREVISTO: ____/_____/ 201 até ____/_____/201 , sendo: a) CRIANÇAS INICIANTES: Duas crianças, por semana, de cada grupo com horário reduzido (9:00 às 15:00 h) para que possam se adaptar ao espaço e pessoas, recebendo atenção individualizada e oportunidade de se adaptar de forma mais tranquila. A escolha das crianças obedecerá a critérios que consideramos adequados à adaptação das crianças, sendo: ü Crianças que residem na mesma casa farão adaptação no mesmo período; ü Crianças matriculadas posteriormente ao planejado, farão a adaptação por ordem de matricula; ü A criança que perder o período reservado exclusivamente a ela, deverá ficar para o final, para garantir o direito de todas. OBJETIVOS DIDÁTICOS: ü Propiciar um ambiente acolhedor e seguro para a criança, possibilitando um pleno desenvolvimento físico, emocional e social; OBJETIVOS COMPARTILHADOS COM OS PAIS E AS CRIANÇAS: ü Familiarização das crianças com: as professoras, funcionários , outras crianças, com os espaços e ambientes, com a rotina; ü Familiarização das professoras com: as crianças , seus familiares e responsáveis; ü Conhecer e reconhecer as dependências do CEI para a organização dos momentos/ tempos; ü Estabelecer contato com a rotina do CEI ü Reconhecer e identificar as professoras, funcionários e o grupo e sala de seu filho (a) ü Reconhecer alguns pais e funcionários pelo nome e suas funções. CONTEÚDO ü Familiarização com o novo ambiente ü Percepção de si e dos demais que dividem o mesmo espaço ü Separação da família com tranquilidade por uma parte do dia ü Garantir e situar às crianças quanto ao momento de retorno para junto aos seus (familiares ou responsáveis) ETAPAS DO TRABALHO: GESTORES: Realização do Encontro de pais, professoras e funcionários antes do inicio de atendimento das crianças, com apresentações dos funcionários e descrição das atribuições que desenvolvemos na Escola (rotina), destacando as normas de convivência e período de adaptação. PROFESSORAS: Continuar a reunião em sala entregando material necessário para inicio das atividades e explicando a importância da adaptação nos primeiros meses e a necessidade de participação dos pais nesse processo. E planejamento das atividades aplicáveis. ATIVIDADES PROPOSTAS Nesta etapa, devemos “apostar” numa relação pessoal com o bebê, fazendo gestos na comunicação corporal. Como sugestão,brincar de: cosquinhas, carícias, pegar, esconde-esconde, canções, etc. Que comecem também a manejar o material da sala de convívio, mas sem misturas: torres, construções, telas, bola, etc. Respeite o jogo livre sem dar muitas ordens, aproveitando para observar seu comportamento. Que a refeição, descanso e trocas, não se convertam em algo rotineiro, dado que são momentos importantes para estabelecer uma comunicação individual (evitar pressas, nervosismo, etc.). Que o bebê possa manipular a comida até realizar com o novo objeto: a colher. Aproveitar os momentos de troca, para conversar com eles, cantar, nomear as partes do corpo ao mesmo tempo que as tocas. O descanso deve ser um momento de relaxamento e tranquilidade com músicas e canções suaves. (Atividades descritas no planejamento da professora). Outras atividades: a) Cantinho acolhedor: Pedir aos pais que enviem na mochila da criança um objeto em que a criança tenha vivência em casa ( brinquedo, cobertinha, bichinho de pelúcia, pano....) b) Os pais trarão uma foto da criança com alguém do convívio familiar para que a criança sinta no CEI uma pequena extensão de sua casa na instituição para elaborarmos uma cópia para fazer a confecção de um painel para anexar ao cantinho acolhedor; c) As fotos originais serão coladas no caderno (portfólio) individual da criança; d) Pesquisa através de um questionário que os pais responderão sobre aspectos da vida da criança para facilitar e personalizar a adaptação; e) As crianças acordarão com músicas clássicas num momento tranquilo; f) Dança com Músicas infantis; g) Confecção com os pais de uma pintura mágica para colocar no álbum da criança; h) Brincadeiras com bolas e bonecas; i) Contação de histórias diariamente; j) Brincadeiras com bexigas coloridas; k) Brincadeiras com motocas no solário; l) Caminhar todos os dias pelos espaços do CEI para reconhecimento; m) Chuvinha de papel picado; n) As crianças levarão um saquinho com bala de goma no último dia da semama; MATERIAIS: CDs, DVDs, brinquedos, folhas variadas, tintas, pinceis, canetinhas, giz de cera, sucatas, fotos, massa de modelar, areia, água e outros. Também utilizaremos: ü Sala de convívio e solário, como espaço individual ü Área externa, sendo: Parque I, parque II, parque III (brinquedos fixos e espaço verde) e teatro de arena; ü Espaço coletivo interno: sala de atividades piscina de bolinhas, cantinho de leitura e TV como 2ª opção em caso de impossibilidade de uso dos espaços externos ou com projeto de trabalho, teatro de fantoche, triciclos, bicicletas, kits educativos de SME e outros. AVALIAÇÃO: Será realizada de forma contínua e sistemática durante todo o desenvolvimento do projeto, através de observações e acompanhamento das atividades propostas, considerando as capacidades e individualidades de cada criança. Nosso foco na fase de adaptação é a observação. Avaliaremos individualmente cada criança através da observação e com registros diários (registro escrito e fotográfico) e durante o período de adaptação de cada criança faremos um acompanhamento para informar aos familiares (conversas diárias e entrega da cartinha – atividade trabalhada) e conclusão em impresso ao seu término, com assinatura dos responsáveis pela criança e demais envolvidos. Faremos um relatório geral, no término do período de adaptação do CEI com intenção de registrar os pontos positivos e negativos visando aprimorar o processo para o ano seguinte. BIBLIOGRAFIA Consultoria: Clélia Cortez - Formadora do Instituto Avisa Lá, em São Paulo. Edwards, Carolyn. As cem linguagens da criança- ARTMED Bassedas, Eulália. Aprender e ensinar na Educação Infantil - ARTMED Referencial Nacional para a Educação Infantil, MEC, 1998. Orientações Curriculares: Expectativas de Aprendizagem e Orientações Didáticas para a Educação Infantil, PMSP - SME/ DOT, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário