consultoria

consultoria

terça-feira, 4 de novembro de 2014

AÇÕES QUE POSSIBILITAM A INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NO COTIDIANO ESCOLAR.

Dentro do cotidiano escolar a criatividade e bom senso dos professores é uma das principais armas para o ensino-aprendizagem das crianças de crianças especiais e para isso algumas ações pedagógicas são necessárias nesse processo. Em casos de alunos superdotados é certo de que chegará um momento em que os professores não terão mais conteúdo para repassar para esses alunos, em nosso país como se sabe o nível intelectual é muito baixo e com isso esses alunos ficariam a deriva com a falta de conhecimento mais avançados. Conforme Silveira e Nascimento (2011, p.132) As crianças superdotadas precisam "[...] é da valorização e do incentivo de sua potencialidade para que se possa ter o desenvolvimento pleno de sua capacidade." Segundo as diretrizes básicas traçadas pelo ministério de Educação- MEC, no Brasil, as alternativas utilizadas são: enriquecimento curricular e aceleração, ou as duas combinadas. Tanto uma quanto a outra devem estar de acordo com as características da escola e adequadas à realidade do aluno. (SILVEIRA; NASCIMENTO, 2011, p.133). A escola deve se basear na LDB 9.394/96 e fazer as adaptações para não limitar os alunos com grandes capacidades, para que dessa forma eles possam continuar a desenvolver sua parte intelectual. Com as crianças surdas, mudas, cegas não é diferente gostar de trabalhar com elas, ser criativo e buscar novas alternativas e sempre favoráveis. Fazer adaptações de materiais de estudo, brinquedos, acessórios, instrumentos para que elas possam absorver o conhecimento assim como as demais crianças e acompanhar o currículo escolar. Ter uma equipe de professores, pedagogos, fonoaudiólogo, psicólogos entre outros especialistas para garantir o processo de ensino-aprendizagem e inclusão com qualidade. Comas crianças surdas ou mudas adotam-se nos dias atuais a abordagem bilíngue, na qual o aluno adota a LIBRAS como primeira língua e o português como segunda língua. Na inclusão de aluno alunos surdo é preciso que a escola disponha de recursos como materiais visuais e concretos relacionados ao conteúdo escolar para que eles possam visualizar e tocar assim fazer a assimilação, pois esses alunos aprendem muito com o que podem ver. De acordo com Silveira e Nascimento (2011). A criança começa sua interação com o mundo, ainda na gestação através da audição. Com os deficientes visuais de baixa visão deve-se colocá-las cedo em contato com objetos que estimulam a visão. "[...] na criança, a visão é o agente desencadeador da motivação para a realização de movimentos e ações. A criança com deficiência visual necessita de intervenção para que sejam nela despertados o desejo, a curiosidade e a motivação para agir sobre o ambiente". (GAGLIARDO; NOBRE,2009, P.18 apud SILVEIRA; NASCIMENTO,2011, P. 78). Brincar com essas crianças é uma boa forma de ensinar e aprender, assim ela vai conhecendo objetos, texturas, forma, tamanho, cor e som usando as tato, além do mais desenvolve-se a autoestima, sentimentos afetivos e acabam por se tornar pessoas ativas, curiosas, que buscam sempre aprender mais. Utilizar recursos pedagógicos como óculos, lupas, softwares para passar o conteúdo pode facilitar e garantir o ensino-aprendizagem de qualidade, e necessário está atento ao contraste das cores e a luz do ambiente. Para as crianças cegas utiliza-se o Braile, a Reglete de metal, máquinas datilográficas o sorobã e ainda as atividades da vida diária que os auxilia bastante e os ajuda a tornarem-se independentes, neste processo é muito importante a ajuda dos pais e professores de estimulação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário